Encontro com Francisco Brito Cruz, Silvana Bahia  e Sidarta Ribeiro                                                                                                    

Confluentes recebeu Francisco Brito Cruz, codiretor do InternetLab, Sidarta Ribeiro, neurocientista, e Silvana Bahia, diretora do Olabi, organização apoiada pelo Confluentes que trabalha com inserção de pessoas no mundo do trabalho através da tecnologia, para mais um encontro temático aberto a todos os confluentes.

A riquíssima conversa, realizada on-line na quarta, 17 de junho, girou em torno de questões como as transformações impostas no modo como vivemos pelas recentes mudanças na vida digital. De que forma a tecnologia afeta as pessoas, a privacidade, as instituições e a democracia? Como a pandemia modifica a vida em redes?

Os três convidados, todos dedicados – de maneiras diferentes e complementares – à ciência e à tecnologia, falaram de fake news, o papel das plataformas digitais, o debate público nas redes, privacidade, democracia e o impacto de tudo isso em nossas subjetividades.

Francisco, que trabalha com a proteção dos direitos fundamentais na internet, abriu o bate-papo falando sobre o polêmico projeto de lei de vista combater as fake news.

“Dos anos 2000 para cá, dieta de mídia mudou. Fomos da imprensa tradicional, o feijão com arroz, para a internet e seu cardápio variado, que vai de alimentos supernutritivos à junk food da pior qualidade. Antes, o editor de um veículo de comunicação tinha muito poder sobre o que circulava na esfera pública. Agora, com as redes sociais, com o WhatsApp, qualquer pessoal pode viralizar conteúdo com facilidade. Os veículos de comunicação eram os porteiros da informação, mas agora deixaram de ter controle sobre ela. Hoje é impossível sabermos a origem de uma notícia”, comentou.

Ele lembrou também que, muitas vezes, abordamos a tecnologia por um viés determinista – como se as redes sociais tivessem caído do céu e nos obrigasse a usá-la de determinada maneira. “Mas essas tecnologias são fruto de escolhas humanas, sociais e políticas. O Facebook e o Instagram alimentam o narcisismo porque nós os criamos assim”, afirmou.

Silvana, que, com o Olabi, busca democratizar a produção de tecnologia na construção de um mundo mais diverso e justo, levantou uma questão. “O que muda quando uma pessoa trans, negra, da periferia pode criar tecnologia? Não tenho a resposta, mas com certeza será algo muito diferente do que temos agora.” Para ela, precisamos pensar a tecnologia enquanto política e cultura, aproximando saberes e difundindo conhecimentos. “No meio de tanta incerteza, precisamos conservar e nutrir nossas habilidades e nossa capacidade de aprender”, completou.

Sidarta Ribeiro ampliou o debate e apresentou uma visão, em suas próprias palavras, ao mesmo tempo otimista e apocalíptica. “Estamos no limite de um sistema de acumulação de recursos, o capitalismo predatório, que esteve articulado com a ciência para enriquecer poucos em detrimento de muitos”, disse. Por outro lado, ele acredita que a atual geração tem a chance única de garantir o futuro da humanidade. “Se juntarmos o que tem de melhor na sabedoria humana, podemos construir um planeta lindo em 20 anos. A humanidade é danada, mas tem um instinto de destruição que agora parece ter saído do armário de vez.”

O neurocientista afirma que, antes de qualquer coisa, precisamos mudar a forma de nos relacionar com o planeta, com as outras pessoas e com as demais espécies. E ele acredita que a mudança vai partir da parcela menos favorecida da população. “Quem está excluído do sistema, nas favelas, está cada vez mais consciente, empoderado e articulado entre si. Está todo mundo se ligando de baixo para cima.”

Para participar dos próximos encontros, torne-se você também um confluente.

Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
lynda course free download
download huawei firmware
Download Nulled WordPress Themes
udemy free download
Ver mais posts