Além das causas urgentes, doações podem priorizar iniciativas de longo prazo                                 

Quando vamos ao dicionário, encontramos a definição de filantropia como “profundo amor à humanidade”, “desprendimento, generosidade para com outrem, caridade”. Mas a filantropia, na prática, precisa ser mais que um sentimento ou mesmo um estilo de vida. Filantropia, no mundo de hoje, é também a atuação voluntária de recursos privados para o bem público e para as ações públicas.

Como afirma Inês Mindlin Lafer, idealizadora do Confluentes, diretora do Instituto Betty e Jacob Lafer e presidente  do conselho do GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas), hoje é possível pensarmos a filantropia no Brasil em duas grandes frentes. “Enquanto uma delas é voltada para a assistência, para as necessidades imediatas e as ações emergenciais, a outra é voltada para a garantia de direitos difusos e coletivos. As duas se somam e se complementam.”

Em outras palavras, é importante continuar dando assistência em momentos de necessidade, fazendo campanhas de arrecadação de agasalho e doando cestas básicas no combate à fome, mas é igualmente fundamental promover melhorias que, no médio e no longo prazo, possam diminuir as desigualdades e fortalecer a democracia. É a isso que chamamos de filantropia estratégica.

Voltemos ao dicionário: uma das principais definições de “estratégia” é “arte e aplicar com eficácia os recursos de que se dispõe ou de explorar as condições favoráveis de que porventura se desfrute, visando ao alcance de determinados objetivos”.

A filantropia estratégica, dessa forma, prioriza iniciativas sistêmicas e de longo prazo. É um olhar para o futuro, porém sem perder de vista os problemas do presente. Isso quer dizer que a generosidade e o amor à humanidade podem – e, mais do que nunca, devem – atuar tanto nas causas urgentes quanto nas ações que ajam na raiz dos problemas. 

É importante ressaltar que a filantropia jamais vai substituir o papel das políticas públicas e do Estado. Seu grande papel é, na verdade, complementar políticas públicas, fazendo com que as  ações do Estado cheguem de maneira mais eficiente a quem mais precisa. “Em um país de desigualdades como o Brasil, onde também há uma falta de transparência dos agentes públicos, a filantropia estratégica é fundamental para pensarmos numa sociedade mais plural, justa e sustentável”, completa Inês.

Resumindo, e retomando o que foi dito anteriormente, a filantropia é estratégica quando doamos não apenas para botar comida no prato de quem tem fome e agasalhar quem sente frio, mas também quando nossas doações apoiam projetos que trabalham para fazer com que, num futuro próximo, menos pessoas sintam fome e frio. É quando buscamos transformações positivas na nossa sociedade.

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes Free
lynda course free download
download micromax firmware
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course
Ver mais posts