#EuSouConfluente: Marcos Pinheiro

“Filantropia é uma resposta prática a uma urgência invisível”                                     

Consultor e diretor executivo do Instituto Escola Conectada, Marcos Pinheiro é confluente em dobro: além de doador, ele colabora com o Confluentes como especialista em expansão de redes. Nesta conversa, ele conta sobre sua experiência na área social, fala da importância da filantropia no Brasil hoje e de seus sonhos para um futuro mais justo.

Em poucas palavras: quem é você?
Meu nome é Marcos Pinheiro. Sou um carioca morando em São Paulo há 4 anos. Nasci na interseção de boa parte dos privilégios que o Brasil pode dar a uma pessoa – o que desde cedo me incomodou e me fez me perguntar como eu poderia também ajudar quem não estava nas mesmas condições. Sempre tive o trabalho como uma parte muito relevante da minha vida (como prova a opção por São Paulo). Aprendi desde cedo que amava empreender; um pouco depois, que trabalhar com impacto social positivo era praticamente um chamado; e, por fim, que estarei sempre articulando e agregando. Por isso, dediquei boa parte da minha vida à área social – onde já trabalho há quase 20 anos – e parte dela à captação de recursos.

Como você chegou ao Confluentes?
Quando a Inês [Mindlin Lafer, idealizador e diretora do Confluentes] ainda estava com essa ideia na cabeça – sem nem mesmo um nome – fizemos uma reunião em que contei um pouco sobre como via a captação de recursos no Brasil. A conversa seguiu por outras reuniões e estive presente no lançamento da rede, em 2019. Pouco depois, em 2020, passei a ser doador.

O que é filantropia para você?
Filantropia é uma manifestação do olhar para o outro e também uma forma de impactar positivamente a sociedade – de forma prática e tangível. Em outras palavras, é uma resposta prática a uma urgência invisível.

Por que doar?
Por que não doar? Acredito que todos os motivos que me levariam a doar estão presentes: algum excedente de recursos, um país tremendamente desigual e, por consequência, pessoas que precisam de algum tipo de apoio (mesmo que pontual). Dito isso, por que não doar? Não encontro resposta.

Que causas você considera mais urgentes? Por quê?
Analisando pelo prisma da urgência, citaria as causas que, se não abordadas no momento imediato, colocariam em risco a vida: combate à fome e saúde. 

Antes de se tornar confluente, você já teve alguma outra experiência de engajamento social?
Trabalho com a área social há 20 anos, então tive bastante experiência em engajamento. Fui professor de pré-vestibular comunitário por dez anos e, nesse processo, também coordenador e diretor da organização. Fundei um instituto grantmaker no Rio de Janeiro e, depois, um instituto empresarial em São Paulo. Em paralelo, visitei centenas de ONGs em todo Brasil e participo do Movimento Por uma Cultura de Doação, além de outras várias ações para consolidação da cultura de doação no Brasil.

O que mudou em sua vida desde que você se tornou confluente?
Os últimos dois anos foram um período bem especial na minha vida. Apesar da pandemia, vivi um processo importante de expansão nas áreas pessoal e profissional. Posso dizer que o começo da doação para o Confluentes foi também o começo de um ótimo período.

O que você diria para alguém que está pensando em começar a doar e a se engajar socialmente, mas não sabe bem como começar?
Entenda sua causa, busque uma organização que represente isso e comece já a doar dinheiro. Pode doar tempo, também, mas nunca deixe de doar dinheiro. Se suas causas forem estratégicas e o ticket possível de doação a partir de R$ 5 mil por ano, pense seriamente no Confluente.

Como é o Brasil dos seus sonhos?
Um país com uma desigualdade social tolerável, que não mate 40 mil pessoas por ano e cuja raiva não tenha papel central na vida política.

Ser confluente é…
… fazer parte de um grupo que compartilha valores e a busca por um Brasil melhor.

Você leu recentemente algum livro ou assistiu a algum filme ou série que gostaria de recomendar aos outros confluentes e parceiros?
Quanto custa salvar uma vida, do Peter Singer.

Últimos posts